PGR: prefeito de Itapemirim (ES) deve permanecer afastado do cargo | Portal Jurídico Investidura - Direito

PGR: prefeito de Itapemirim (ES) deve permanecer afastado do cargo

 

Apontando contundentes indícios de envolvimento do prefeito de Itapemirim (ES), Luciano Alves, em organização criminosa que atuava na prefeitura municipal, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) a manutenção de seu afastamento do cargo. O prefeito é investigado por envolvimento em delitos contra a Administração Pública, como falsificação de documentos, fraudes em licitações, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

O recurso (agravo regimental) é contra decisão do presidente da Corte, ministro Ricardo Lewandowski, que deferiu parte da liminar solicitada pelo prefeito para seu retorno ao cargo, na Suspensão de Liminar (SL) 907/ES. Janot argumenta que a suspensão do afastamento pode representar ameaça à ordem pública municipal, pois há receio que o prefeito afastado venha a utilizar o cargo para continuar a praticar infrações penais em prejuízo à coletividade e à instrução do caso.

No recurso, o procurador-geral sustenta que as medidas cautelares foram individualizadas e devidamente fundamentadas pelos órgãos competentes. “A mera suspensão do exercício do cargo público não caracterizaria lesão à ordem pública, pois o prefeito é eleito em chapa juntamente com um vice, cujo encargo consiste exatamente em dar seguimento à gestão nos afastamentos do titular, em reverência aos princípios da continuidade do serviço público e da impessoalidade”, argumenta.

“As provas coligidas aos autos convergem no sentido de que o requerente liderava complexa organização criminosa no âmbito da Prefeitura Municipal, utilizando-se do cargo de prefeito municipal para perpetração de ilícitos penais em detrimento do erário municipal”, afirma e complementa: “A decisão que manteve o afastamento do prefeito salientou a probabilidade de reiteração criminosa caso fosse este mantido no cargo”.

Entenda o caso – O caso teve início no Ministério Público (MP) do Estado do Espírito Santo, que pediu ao Tribunal de Justiça Estadual medidas cautelares de prisão temporária, busca e apreensão, afastamento funcional, indisponibilidade de bens, entre outras, contra o prefeito. Em julho deste ano, o MP estadual ofereceu denúncia contra o Luciano Alves e outros envolvidos no esquema, pedindo a manutenção do afastamento cautelar, o que foi deferido. Com a decisão do Tribunal, o prefeito ficou afastado por 60 dias do cargo, prorrogada posteriormente por igual período.

O prefeito recorreu, alegando, entre outros motivos, que seu afastamento, sem decisão definitiva, fere a ordem pública, bem como representa cassação de seu mandato. Além disso, defendeu que não há provas de que sua manutenção no cargo pública represente risco à instrução processual. O recurso foi analisado por Lewandowski que, em decisão monocrática, de agosto deste ano, deferiu a liminar pleiteada pelo prefeito para retorno ao cargo, ressalvando a possibilidade de aplicação de outras medidas cautelares a serem firmadas pelo Tribunal Capixaba. Em setembro, a PGR pediu vista dos autos, emitindo manifestação no dia 13 de outubro, que será agora analisada pelo presidente do STF.

Íntegra da manifestação na SL 907


Secretaria de Comunicação Social
Procuradoria-Geral da República
(61) 3105-6404/6408
Twitter: MPF_PGR
Facebook.com/MPFederal



Fonte: MPF
 

Seção: Notícias
Categoria: MPF

Como referenciar este conteúdo

NOTíCIAS,. PGR: prefeito de Itapemirim (ES) deve permanecer afastado do cargo. Portal Jurídico Investidura, Florianópolis/SC, 20 Out. 2015. Disponível em: mail.investidura.com.br/noticias/228-mpf/333362-pgr:-prefeito-de-itapemirim-(es)-deve-permanecer-afastado-do-cargo. Acesso em: 24 Jul. 2019

Receba nossos e-mails e infoprodutos jurídicos

 

 

ENVIE SEU ARTIGO